11 formas de melhorar a sua vida sexual, segundo Harvard

É um facto que o sexo tende a piorar com a idade: as hormonas não ajudam, a perda de desejo também não, o declínio dos sistemas neurológico e circulatório idem. Contudo, pequenos ajustes podem fazer maravilhas pela sua vida sexual, como estes que ensina a Escola de Saúde Pública de Harvard.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

INFORME-SE

Independentemente dos problemas/dúvidas/receios que estejam melindrá-lo de momento, o manancial de informação disponível na internet é praticamente inesgotável e pode dar-lhe umas boas luzes do que fazer a seguir. Em última análise, se o Google não lhe tirar a vergonha de falar com o outro sobre o que anda a perturbá-lo, pode sempre imprimir, sublinhar e deixar o material visível em cima da mesa da cozinha.

DÊ TEMPO A SI MESMO

A idade não perdoa, abranda-nos a todos, por isso não se martirize se precisar de um pouco mais de margem de manobra do que antes para pôr a máquina a carburar. Provavelmente, o parceiro até agradece este vagar que permite a ambos saborearem melhor o momento. Além de que a ideia de passar mais tempo a fazer sexo é bastante agradável.

APOSTE NA LUBRIFICAÇÃO

Quaisquer que sejam as causas da secura vaginal – da qual sofrem entre 40 e 60 por cento das mulheres devido a stress, menopausa, pouca produção de estrogénio, falta de desejo ou o que for –, usar lubrificante traz conforto ao sexo.

SEJA AFETUOSO

Estar cansado do trabalho, rabugento ou stressado nunca pode ser desculpa para descarregar as suas frustrações em cima do parceiro – corre sérios riscos de destruir a ligação física e emocional que foram construindo se o fizer. Na dúvida, nem sequer diga nada: abrace o outro. E passe logo à parte de beijá-lo, sentindo as terminações nervosas a comunicarem diretamente com o cérebro.

TOQUE

Por alguma razão o senso comum manda-nos apostar nos preliminares. Tocar no parceiro, pressionar, envolvê-lo com as mãos, é já uma forma de fazer amor que retira muita da pressão ao ato, ajudando a que este se desenrole de forma natural. Isto para dizer que cambalhotas na cama são boas, recomendam-se, mas fazer conchinha não lhe fica atrás.

INOVE NAS POSIÇÕES

Bem estimuladas, recorrendo a um reportório variado (os limites não se esgotam na penetração ou na posição de missionário), muitas zonas do corpo são facilmente excitáveis. Faça experiências para descobrir o que dá mais prazer ao outro – e a si. Depois entre os dois é ir prolongando a brincadeira ao máximo.

ANOTE AS FANTASIAS

As suas, evidentemente, mas também as do/a parceiro/a, para não haver o risco de deixar alguma em branco. Viu um filme que lhe ficou aí a martelar? Escreva. Há algo que deseja tentar há muito? A mesma coisa. É por muitos casais não dizerem o que desejam que acabam a sujeitar-se ao sexo possível. Verdade seja dita, o outro não adivinha.

FAÇA EXERCÍCIOS KEGEL

Ter um bom pavimento pélvico interessa tanto a homens como a grávidas, e nunca é de mais fortalecê-lo com os exercícios Kegel: vai ajudar os músculos a contrair e relaxar durante o sexo, aumentando o prazer, além de tornar as ereções mais fortes e controlar a ejaculação. Na prática, após identificar a zona certa a trabalhar – para saber qual é pense que está a urinar e quer interromper o fluxo –, faça séries de 20 a 30 contrações, repetindo três a quatro vezes por dia (as pernas, nádegas e abdómen mantêm-se descontraídos). Outra opção é contrair o pavimento pélvico todo de uma vez e suster até não aguentar mais.

PROCURE RELAXAR

Pode fazê-lo com um banho quente, um jantar em ambiente calmo, uma massagem ou qualquer outra técnica que lhe permita estar na cama presente, com os cinco sentidos alerta, sem pensar que devia ir pôr a roupa na máquina ou passear o cão. Este é o vosso momento. Merecem-no. A partir daí, é dedicarem-se a redescobrir os interruptores que vos ligam, como faziam no início da relação.

USE O VIBRADOR

Não há nada de que ter vergonha, já que são do melhor para descobrir as respostas do próprio corpo e do corpo do outro, ajudando a perceber o que dá mais prazer. Entre os portugueses, segundo os vendedores de produtos eróticos, vibradores de 17,8 centímetros, tintas corporais, géis estimulantes, óleos afrodisíacos e até chicotes são dos artigos mais procurados para incrementar a vida sexual.

NÃO DESISTA

Mas é que nunca mesmo, parar é morrer. Se nenhum dos anteriores conselhos funcionar, procure ajuda médica. Qualquer bom especialista será capaz de determinar a causa dessa disfunção que lhe tem estado a prejudicar a vida sexual e, claro, indicar-lhe o tratamento adequado para resolvê-la o mais rapidamente possível.