Assim se perde peso sem precisar de dietas malucas (ou de qualquer outro tipo)

O facto de não gostar de dietas não significa que não possa ter o corpo com que sempre sonhou. E de forma bem mais natural e saudável, por sinal.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

TOME O PEQUENO-ALMOÇO

Se é pessoa para trocar o pequeno-almoço por mais 20 minutos na cama, saiba que se arrisca a desacelerar o seu metabolismo (e não, um rissol e um café no bar não contam). Reduzir calorias é bom para perder peso, porém exagerar fará com que o corpo interprete como um sinal de privação e desacelere para poupar energia. Isto para não falar no facto de começar a utilizar a proteína contida nos músculos, o que interfere com a função de queimar gordura. Estudos revelam ainda que falhar o pequeno-almoço todos os dias pode fazer-nos engordar cerca de oito quilos por ano e aumentar o perímetro abdominal.

SABORES AO NATURAL

Que é como quem diz nada de açúcar a não ser o naturalmente contido no leite, cereais integrais e fruta inteira (não em sumos) depois de uma equipa de estudo liderada pelo endocrinologista Robert H. Lustig, da Universidade da Califórnia, garantir que o açúcar é um veneno capaz de causar malefícios similares aos do álcool. E nada de trocar todas as comidas e bebidas pelas suas versões diet e light, atestadas de adoçantes sintéticos como o aspartame e afins: também aqui várias pesquisas indicam aumentarem o risco de obesidade, diabetes tipo 2, distúrbios intestinais, problemas cardíacos e alterações metabólicas causadoras de doença crónica.

FAÇA LANCHINHOS

Ainda agora falávamos de frutas e a verdade é que são uma opção acertada para se comer a meio da manhã ou num lanche da tarde, por serem naturais, ricas em vitaminas, minerais e fibras, essenciais para fazer trabalhar o intestino e prolongar a sensação de saciedade. O ideal é fazer refeições moderadas e lanches pouco calóricos ao longo do dia, variando entre peças de fruta da época, frutos secos, gelatinas 0% açúcares ou até um iogurte (fonte de proteína e cálcio) com um pouco de aveia (fonte de fibras).

HIDRATE-SE REGULARMENTE

Há quem aconselhe a beber um copo de água morna logo pela manhã, em jejum, e um copo de água a cada refeição. Quem sublinhe que devemos ter sempre uma garrafa de meio litro na mala e beber um chá ou infusão após o jantar. Cientistas alemães descobriram ainda que beber seis copos de água gelada por dia permite eliminar mais de dois quilos por ano sem outro esforço que não o de beber – a energia gasta pelo organismo a aquecer a água à temperatura do corpo acelera o metabolismo de forma natural. Uma coisa é certa: mantermo-nos hidratados corta a fome e ajuda a controlar o peso.

PLANEIE OS MENUS

Acontece-nos a todos: chegamos a casa tarde, cansados, sem ter nada planeado nem comida pronta no frigorífico, e acabamos a devorar um pacote de batatas fritas que encontrámos na despensa, acompanhadas de umas sobras de queijo do fim de semana e um resto de gelado. Para evitar estes desaires, segundo a nutricionista Rita Rocha de Macedo, o único segredo é planear as refeições para a semana – poupa-nos trabalho, dinheiro e ainda nos permite levar comida saudável para o trabalho no dia seguinte. Do mesmo modo, é importante certificarmo-nos de que apenas cozinhamos e vamos às compras quando estamos sem fome.

NÃO SE PRIVE DE NADA

Quem o aconselha é a coacher em psicologia alimentar Magda Gonçalves, autora do livro Vencer a Batalha com a Comida (ed. Matéria-Prima), considerando que quanto mais nos privamos de um prazer mais o nosso desejo por ele se intensifica. «No meu trabalho, o que faço é ajudar as pessoas a entenderem os motivos da sua insatisfação com o corpo e da relação problemática que têm com a comida, para evitar que comam em excesso», diz. O truque é comer as suas coisas preferidas com controlo, planeando, o que reduz drasticamente a necessidade de se exceder.

EXERCÍCIO PELA MANHÃ

Parece uma daquelas verdades que toda a gente conhece, mas nunca é de mais repetir: praticar atividade física é a maneira mais simples e eficaz de acelerar o metabolismo. De preferência em jejum pela manhã, à luz deste estudo que diz que fazê-lo permite queimar 20 por cento mais gordura corporal na atividade do que se comêssemos e escolhêssemos outro horário. O ideal é combinar treino aeróbico de alta intensidade com algum trabalho de força como a musculação, apostando em exercícios diversificados e com intervalos curtos entre si. A gordura em si não se transforma em músculo, é um mito. Mas quanto mais músculo ganharmos, mais gordura queimamos.

DURMA BEM

Para o exercício render é necessário recuperar os músculos, e isso apenas se consegue com descanso, sustenta um estudo da Universidade de Michigan, EUA, que relaciona mais uma hora dormida todas as noites com uma perda de até sete quilos por ano. Na prática, a privação do sono faz-nos comer pior – em calorias e gordura –, além de interferir com as hormonas grelina e leptina, ligadas ao apetite e ao equilíbrio energético: o aumento da grelina informa o cérebro de que é altura de comer (neste caso fora de horas), enquanto o decréscimo de leptina dificulta a perceção de que podemos parar de comer porque estamos saciados.

ATENÇÃO AO ÁLCOOL

Que o excesso de álcool prejudica a saúde não é novidade, contudo são poucos os que sabem que beber dois martínis (leu bem: dois) reduz em até 73 por cento a queima de calorias. Pelo contrário, nada de diabolizar a cafeína: segundo um estudo divulgado na publicação científica Physiology & Behavior, o metabolismo de quem bebe café funciona 16 por cento mais rapidamente do que o daqueles que não bebem. Só não adicione é açúcar para não estragar os benefícios.