Ataque cardíaco: 8 sinais de aviso que o corpo nos dá

E dá-os, segundo os especialistas, com tempo suficiente para evitarmos um ataque cardíaco, se soubermos ouvir o corpo em vez de ignorá-lo. No Dia Mundial do Coração, como em todos os outros, fique atento a estes indícios.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

DIFICULDADES RESPIRATÓRIAS

Problemas em respirar fundo ou faltas de ar recorrentes são dos sinais mais comuns que o corpo nos dá antes de um ataque cardíaco, por vezes até com uma antecedência de vários meses. Em lugar de simplesmente desvalorizar a questão e atribuí-la a uma crise de ansiedade – que pode muito bem ser a razão das dificuldades respiratórias, não entre já em pânico –, consulte o seu médico para despistar outras possíveis causas.

CANSAÇO

Há momentos em que todos o acusamos com maior ou menor intensidade, nada de começar a stressar só de ouvir a palavra. Até porque este cansaço de que lhe falamos é diferente do que costumamos experimentar: mais uma fadiga extrema e pouco habitual no dia-a-dia – por exemplo a fazer a cama ou a tomar duche, que à partida não deixam ninguém prostrado – do que aquela lassidão própria de uma semana de trabalho extenuante ou da prática puxada de exercício físico.

INSÓNIAS

Tal como o cansaço, problemas de sono acontecem a cada vez mais gente, com maior frequência e por inúmeros motivos, pelo que não deve ficar uma pilha de nervos ao saber que as insónias figuram na lista de sintomas comuns de um possível enfarte a caminho, quase sempre associadas a níveis elevados de ansiedade e distração. Podem nem significar nada, mas mais vale prevenir.

DORES ABDOMINAIS

Às vezes são moinhas no estômago. Noutras uma sensação de inchaço, náuseas inexplicáveis, indigestão ou todos estes mal-estares em conjunto, a surgirem em força durante um curto período de tempo antes de diminuírem e voltarem a aparecer pouco depois. Independentemente da causa, dores abdominais persistentes têm de merecer sempre a sua atenção.

DORES NO PEITO

São outras que se manifestam com diferentes contornos e intensidades consoante a pessoa, a nunca ignorar – nunca mesmo – por se tratarem das mais reveladores da iminência de um ataque cardíaco. Por norma, o aperto doloroso começa no peito e vai-se expandindo, causando incómodo num ou em ambos os braços (sobretudo o esquerdo), no pescoço, ouvidos, ombros, costas, estômago ou queixo. E isto de forma intermitente ou permanente.

SUDORESE

Pode ocorrer de dia ou de noite, embora costume ser mais frequente à noite e, por isso, seja muitas vezes confundida com os suores noturnos decorrentes da menopausa (no caso das mulheres) ou até sintomas de gripe. Se ao suor abundante se somarem tonturas repentinas e palidez súbita, deve marcar uma consulta sem demora.

ARRITMIAS

De novo, fazemos o reparo de que pulsações e batimentos cardíacos irregulares (arritmia) ou aumento da frequência cardíaca (taquicardia) podem não ser razão para alarme se ocorrerem pontualmente e sem outros sintomas associados. A campainha deve soar, contudo, se de repente começar a senti-las com regularidade. Especialmente se vierem acompanhadas do tal cansaço extremo que referimos há pouco, além de episódios de grande ansiedade e stress que muita gente descreve como uma sensação de morte iminente.

QUEDA DE CABELO

Óbvio que falamos da perda de grandes quantidades de cabelo, o que só por si já indica que algo não vai bem no organismo. E mais ainda se a calva ocorrer no topo de uma cabeça masculina antes dos 55 anos: vários estudos internacionais garantem que o risco aumenta exponencialmente nestas circunstâncias, apesar de nem os homens de outras idades nem as mulheres estarem livres da associação (também comprovada cientificamente) entre queda capilar e enfartes.