Bexiga hiperativa: é possível não passar a vida na casa de banho?

Imagine passar o dia com vontade de ir à casa de banho. Ou ter uma vontade incontrolável num espaço público, numa viagem de avião, numa reunião de trabalho ou durante a noite. Esta é a realidade de cerca de 17% da população adulta que sofre de bexiga hiperativa, uma patologia mais comum do que se pode imaginar.

Texto de Ana Patrícia Cardoso

Já parou para contar quantas vezes vai à casa de banho? Se ainda não o fez, provavelmente ainda não sofre desta patologia. Por norma, mais do que oito vezes já pode tornar-se um problema.

No entanto, pode acontecer-lhe no futuro. Apesar de não haver uma faixa etária definida, nas mulheres a maior incidência é a partir dos 50 anos e, nos homens, entre os 70 e os 80, uma vez que pode surgir relacionada com problemas na próstata.

O urologista Paulo Temido, presidente da Associação Portuguesa de Neurourologia e Uroginecologia (APNUG), fala da tendência natural de isolamento por parte dos pacientes. «Um doente com esta patologia, para além da limitação pessoal, também fica limitado a nível profissional, social e sexual. Toda a rotina tem de ser repensada e ganha-se o medo de passar por situações constrangedoras. Quem sofre de bexiga hiperativa dificilmente consegue esperar para urinar, já que tem urgência em esvaziar a bexiga e, quando não consegue encontrar uma casa de banho, pode mesmo ter perdas de urina.»

É impossível prevenir a patologia e esta pode estar associada a questões físicas como a doenças neurológicas, como o stress ou ansiedade. Para o especialista, o mais importante é procurar ajuda e fazer as mudanças necessárias para ter «um dia a dia com dignidade».

Nesta lista, encontra algumas alterações ao quotidiano que podem ajudar o controlar os sintomas de bexiga hiperativa. Coisas simples que podem fazer toda a diferença.

MUDAR OS HÁBITOS ALIMENTARES

Evitar ao máximo os alimentos picantes, que funcionam como estimulantes, bem como o café ou o chocolate e, sobretudo, as bebidas alcoólicas: evite-as ao máximo porque podem agravar o seu estado.

NÃO DEIXAR DE BEBER ÁGUA

Ironicamente, a primeira mudança que as pessoas tendem a fazer é parar de beber água. É um erro. Paulo Temido explica porquê. «É um mecanismo de defesa dos pacientes que está profundamente errado. Se paramos de beber líquidos a urina torna-se mais concentrada, mais agressiva e acaba agravar os sintomas.»

PERDER PESO É IMPORTANTE

Se tem excesso de peso, não só é prejudicial para a sua saúde como pode agravar os sintomas da bexiga hiperativa. Inicie um regime de alimentação equilibrada conjugado com exercício físico e vai notar os resultados positivos em pouco tempo.

CRIAR HORÁRIOS PARA IR À CASA DE BANHO

O urologista Paulo Temido defende que, em casos de bexiga hiperativa, ainda que a tentação seja ir à casa de banho a cada cinco minutos, é necessário controlar o nosso cérebro para que haja uma espécie de horário para urinar. O corpo vai habituar-se a esses horários aos poucos e será mais fácil antecipar as idas à casa de banho.

PLANEAR OS EVENTOS PÚBLICOS

Não perca a sua vida social. Se vai a um jantar, a uma festa, um evento, tente ir à casa de banho assim que chegar, evitando filas ou vontades inesperadas. Sempre que possível, perceba onde está a casa de banho mais próxima.

PREVENIR EM VIAGENS LONGAS

Nem pense em abdicar das férias. Só é necessário alguma preparação antes de ir. É essencial levar absorventes e uma muda de roupa. Verifique se tem a medicação toda para não ter de comprar, pode não estar num sitio acessível. O ideal é reservar, sempre que possível, quarto com casa de banho privativa para estar mais à vontade. E lembre-se que pode divertir-se na mesma.