Pensas que estás na barraca onde vives?

No outro dia, uma professora perguntou isto à minha filha, que tem 12 anos e está no 6º ano. “Pensas que estás na barraca onde vives?”

Ela contou-me, ao jantar, olhar crítico, mas descontração saudável, que tanto me descansa. “Achas bem, mãe?” Primeira (e estúpida) reação minha: “O que é que fizeste para a professora perguntar isso?” Ela, com aquele ar incrédulo dos pré-adolescentes: “Só estava torta na cadeira, mãe. Achas bem uma professora perguntar isso?”

Nesta pergunta, que não afetou a minha filha porque ela não vive numa barraca, está toda a injustiça social, a falta de pedagogia e a falta de empatia que tantas vezes persiste nas salas de aula portuguesas.

Não, não acho. Não valorizei. Não falei com a professora. Não falei sequer com o diretor de turma. Mas não acho. E expliquei porquê à minha filha. Naquela pergunta que a professora lhe fez, e que não a afetou porque ela não vive numa barraca, está toda a injustiça social, a falta de pedagogia e a falta de empatia que tantas vezes persiste nas salas de aula portuguesas.

Na cabeça de quem fez aquela pergunta, que, calha, é professora, uma criança que vive numa barraca porta-se naturalmente mal, tem maus resultados, não tem emenda, talvez não tenha mesmo lugar ali, naquela escola, que, calha, é uma escola pública.

Ora, na minha maneira de ver as coisas, uma criança que ainda viva numa barraca no Portugal do século XXI e da União Europeia e dessas modernices todas dos países desenvolvidos devia ser o centro das atenções da escola pública e não o incómodo, que se suporta ou, tantas vezes, se varre para baixo do tapete.

Uma das questões com que me debato e que me deixa os nervos em franja é porque é que a escola pública, que deveria ser o principal instrumento de justiça social e de criação de igualdade de oportunidades, continue a não conseguir, quase 45 anos depois do 25 de Abril, garantir um ensino igual para todos.

Talvez na infeliz pergunta da professora da minha filha esteja parte da explicação para isso.