Como o stress pode ser bom (na dose certa)

Todos vemos o stress como um sentimento negativo. O trabalho que nos tira o sono, os dramas familiares que nos consomem, a relação amorosa que não evolui, os horários sobrecarregados que insistimos em manter são picos de stress que nos esgotam física e mentalmente. A receita é saber dosear esta sensação porque o stress – aqui está a surpresa – pode ser bom para a nossa vida.

Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia de iStock

O stress faz parte da rotina. Quer queiramos, quer não, este é uma das palavras mais repetidas em conversas diárias e apontado como causa principal para vários problemas de saúde. Seja profissional ou pessoal, a verdade é que vivemos um momento em que nos é difícil controlar os efeitos – negativos, diga-se – que este pode ter.

A questão é: como podemos transformá-lo de forma construtiva? Sim, é possível. Para isso é importante perceber o que é e como se manifesta. O stress surge quando «alguém sente um desequilíbrio entre um determinado desafio e os recursos que tem para lidar com ele», explica à TIME Kathleen Gunthert, professora de psicologia.

Existem dois tipos de stress. O ‘eustress’ ou stress positivo, que sentimos quando começamos um novo trabalho, por exemplo, e o ‘distress’, que está relacionado com sofrimento emocional e que experimentamos numa separação ou quando discutimos com um familiar.

No entanto, segundo um estudo realizado por uma equipa de especialistas do San Francisco Medical Center, nos Estados Unidos, pequenas doses moderadas de stress podem ser benéficas para o nosso crescimento pessoal e interpessoal.

Estas são algumas das vantagens de sentirmos stress durante a nossa vida.

O STRESS AUMENTA A MOTIVAÇÃO

Quando não é assoberbante, o stress pode funcionar como motivador e dar o empurrão de que precisamos para concluir determinada tarefa. Por exemplo, se existe um prazo para terminar um trabalho, este tal stress pode ser decisivo para nos ajudar a focar no que realmente importa. «Todos nós já tivemos que fazer alguma coisa e protelamos a situação até ao limite, por falta de motivação e, de repente, sem mais tempo pela frente, a motivação está lá», diz Kathleen Gunthert.

ENSINA RESILIÊNCIA E CONFIANÇA

Peter Vitaliano, professor de psiquiatria e ciências comportamentais na Universidade de Medicina de Washington, defende que «o stress força-nos a resolver problemas e, com isso, a desenvolver competências importantes para o futuro». Ou seja, vamos ganhando confiança na nossa capacidade em arranjar soluções. Ao enfrentarmos uma situação de stress que é ultrapassada, estamos a lidar com a situação em vez de a evitar. Caso se repita de futuro, já estaremos preparados e mais confiantes.

PROMOVE A CRIAÇÃO DE LAÇOS

Um dos aspetos mais surpreendentes do stress é que pode ajudar a criar laços entre as pessoas, um dos fatores importantes para uma saúde mental equilibrada. «A interação social é um dos fatores que nos protege de problemas tanto a nível físico como psicológico», diz Gunthert. Falar com colegas, amigos ou família sobre o que nos perturba ajuda a cimentar as relações. «Muitas das nossas relações não seriam as mesmas se não nos tivéssemos apoiado durante fases menos boas».

É UMA PARTE FUNDAMENTAL DA VIDA

Uma vida sem stress não é necessariamente melhor. Se pensarmos no nosso percurso de vida, as coisas que nos custaram podem ter sido aquelas que tiveram mais importância. «Aquilo que nos deixa mais orgulhosos na vida foi difícil de conquistar», diz a professora de psicologia. «Se tirarmos o stress por inteiro da nossa vida – pensemos no stress bom – vamos retirar-lhe muito significado, não vamos?»