Doidos pelas corridas: vício ou puro prazer?

Cansaço. As pernas doridas. Os bofes de fora. Se para alguns são boas desculpas para ficar em casa, a outros não os demove de irem correr dê por onde der, ainda de noite se for preciso, faça chuva ou faça frio. Que moda é esta das corridas que nos deixa tão agarrados?

Texto de Ana Pago

Antes mesmo da partida, o organismo reage à ansiedade com cortisol e adrenalina, o fluxo sanguíneo acelera, o coração dispara. A temperatura corporal aumenta, os músculos são acionados, e de repente é como se vivêssemos de novo nas cavernas, a correr para caçar ou evitar sermos caçados. A única diferença é que hoje corremos por gosto, sem medo de chamar a atenção sobre nós dentro do grupo, e assim se explicam as licras brilhantes. Muito se ririam os nossos antepassados pré-históricos se nos vissem por aí às voltas porque sim, sem nenhum animal de bom porte a rondar-nos o traseiro.

“Enquanto corremos libertamos esse tempo para desanuviar a cabeça e organizar as ideias [talvez por melhorar a oxigenação do cérebro]. É um momento para cuidar de mim, puxar por mim, procurar o melhor eu”, explica a holandesa Bo Irik, promotora de eventos de sight running em Lisboa e membro do Correr na Cidade, um grupo informal de gente apaixonada pela corrida que se encontra regularmente para treinar com quem quiser aparecer. “E as endorfinas, já as referi? Ah, a corrida faz-nos sentir tão bem! Desafia a mente e o corpo da maneira que ambos precisam”, acrescenta a runner, pronta para se soltar amanhã na Maratona de Amesterdão.

Bo Irik que este domingo, dia 20, participa na Maratona de Amesterdão juntamente com alguns amigos do seu grupo de corrida “Correr na Cidade”. (D.R.)

Isto porque no dia em que começamos a correr, apesar do sufoco e das vísceras a quererem entrar em colapso, não conseguimos mais parar, adianta a jornalista e runner Cristina Mitre, autora de Mulheres Que Correm (ed. Planeta). “Levantar às 06h30 para fazer oito séries de mil metros? Chegar tarde do escritório e calçar os ténis apesar do frio e da chuva? Madrugar num domingo para correr uma longa distância? Será capaz disso e muito mais”, garante, embora a princípio ela própria duvidasse das suas capacidades, a sentir-se mais um elefante do que uma gazela.

“Ainda hoje não ouço música de violinos ou noto que as endorfinas fluam pelas minhas veias, nem nada que se pareça”, admite, sempre pragmática nas suas experiências. Também não teve qualquer revelação mística com o running, mas a brincar já corre desde 2009 e nada lhe dá mais prazer (pelo menos naquela parte em que a provação acaba). “Teria sido fácil arranjar uma desculpa para ficar em casa a dormitar, debaixo do calor dos lençóis, ou estendida no sofá a contemplar o branco infinito do teto”, diz. E por isso o running a torna tão poderosa – é o seu hino pessoal contra a preguiça: “Correr muscula o corpo, das pernas até ao coração, mas sobretudo a força de vontade.”

E sim, todos nós podemos sonhar em ir mais longe com um par de ténis calçados, inclusive aqueles que julgam que correr não é a sua praia. “O running faz parte do dia-a-dia de qualquer um desde que a crise serviu de ignição, em Portugal, para esta realidade há muito existente noutros países”, afirma Bruno Claro, dinamizador do grupo Correr Lisboa desde abril de 2013, em parceria com a mulher e parceira de treinos. Neste momento o mercado continua a crescer, diz, ainda que a um ritmo inferior ao que devia por sermos um país de sedentários. O que não invalida que as pessoas se sintam atraídas pelo tanto que a corrida tem para lhes oferecer.

Bruno e Sandra Claro lideram o grupo Correr Lisboa que organiza vários treinos pela cidade de Lisboa e Odivelas. (Foto D.R.)

“Reduz o stress, o peso corporal e os riscos de problemas cardíacos devido à ativação da circulação sanguínea”, enumera Sandra Claro, rendida aos benefícios que a ciência já comprovou e ela sente na pele. Melhora o nível de colesterol bom, a qualidade do sono, a autoestima. “Aumenta a capacidade cardiorrespiratória, a eficiência do metabolismo e estimula a massa óssea, além de fugir às formalidades dos ginásios e ter a componente social de trazer novas amizades.” Se correr é uma moda, de facto, então que venha para ficar, aplaude a runner.

“Sugere-se um exame médico-desportivo que poderá incluir desde exames simples a provas mais exigentes, de acordo com o perfil clínico de cada um”, adianta o especialista em performance.

Segundo um estudo intitulado Retrato da Corrida Recreativa em Portugal, em preparação pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, foi com o 25 de Abril de 1974 que a liberdade chegou também ao running – antes disso apenas eram autorizadas provas de competição organizadas pelo Exército, Ministério da Educação, Federação Portuguesa de Atletismo ou Inatel, ao alcance de poucos. Em corridas com mais de dez quilómetros nem era bom pensar (a menos, claro, que quiséssemos ficar com os joelhos desfeitos).

Exageros à parte, ninguém pense que running é só sair por aí a correr, avisa o fisiologista José Soares, professor catedrático na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto e autor de Running: Muito Mais do Que Correr (da Porto Editora). “Sugere-se um exame médico-desportivo que poderá incluir desde exames simples a provas mais exigentes, de acordo com o perfil clínico de cada um”, adianta o especialista em performance. Em complemento, os praticantes devem aquecer bem e retornar à calma (antes e depois), respeitar o descanso entre corridas e preparar-se com exercícios de flexibilidade, reforço muscular generalizado e mobilidade articular específica, a fim de prevenir lesões.

“Provas mais desafiantes ou intensas determinam que um profissional valide a nossa condição física”, confirma Bo Irik, do grupo Correr na Cidade. Por ela já fez um teste de esforço, um ecodoppler [que avalia a estrutura e o fluxo dos vasos sanguíneos] e marca análises regulares ao sangue porque tende a ter anemia. “Nalguns países estas avaliações físicas são mesmo obrigatórias, como em Itália, onde tive de apresentar atestado médico para poder inscrever-me na Maratona de Milão.” De resto, tudo na corrida lhe provoca ímpetos de bem-estar e superação impossíveis de descrever – aquilo que verdadeiramente lhe importa.

“Para desfrutar só tem de calçar umas sapatilhas adequadas ao seu tipo de passada – os especialistas das lojas de running ajudam-no nesta parte – e aparecer nos treinos comunitários do Correr Lisboa”, desafia Bruno Claro, lembrando que há seis encontros por semana a largar de Cidade Universitária, Parque das Nações, Casal Vistoso, pavilhão multiusos de Odivelas e pista municipal Professor Moniz Pereira. “Tudo está pensado para fazer as pessoas começarem a correr e/ou melhorarem o desempenho desportivo”, diz. Qualquer que seja o seu caso, haverá sempre outro corredor por perto a dar-lhe o empurrão que faltava.