É isto que os homens fazem nas 7 horas por ano que passam na casa de banho

Pelos vistos, não são só as mulheres que gastam horas a fio na casa de banho, por muito que os homens insistam nessa ideia disparatada.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

Mulher nenhuma se livra da fama de gostar de ir para a casa de banho em grupinhos e aí ficar horas esquecidas a fazer sabe-se lá o quê. Na prática, porém, são eles quem mais tem o proveito, a avaliar por um estudo da OnePoll, empresa especialista em pesquisas de marketing, que afirma que os homens passam sete horas por ano escondidos na casa de banho em busca de… paz e sossego, que mais podia ser?

«Todos nós precisamos de um pouco de tempo de vez em quando, seja para reavaliar ou mesmo para desligar completamente», justifica Helena Linsky, porta-voz da empresa britânica de sanitários Pebble Grey, que comissionou esta pesquisa inédita.

Em mil homens, um terço admite que se esconde na casa de banho para escapar à rezinguice e ver o telemóvel à vontade.

E com resultados bastante reveladores, diga-se de passagem: em mil homens sondados, um terço admitiu claramente que se esconde – foi esta a palavra usada – nas casas de banho das suas casas para escapar à rezinguice das parceiras (ou parceiros), evitar as crianças e ver o telemóvel à vontade sem que ninguém os chateie com tarefas de somenos importância, como pôr a mesa ou despejar o lixo.

Contas feitas a estas escapadelas sorrateiras em que deixam tudo nas mãos das mulheres, são sete horas por ano que os homens passam trancados no WC, a fingirem-se ocupados com necessidades mais prementes que não estarem simplesmente ali, a ver posts no Facebook sentados na sanita. Para 23 por cento é este o seu porto de abrigo no mundo, o que é dizer muito.

25 por cento dos inquiridos não seriam capazes de lidar com a vida sem estas escapadelas.

«A casa de banho parece ser o sítio perfeito para momentos de paz. Muito como um santuário em que podemos cortar com o mundo exterior, ainda que apenas temporariamente», diz Helena Linsky, nada surpreendida com a escolha do retiro quando 45 por cento dos inquiridos se queixam de que conseguir algum tempo para si é uma luta inglória.

Assim, no WC, com um bocado de sorte talvez nem sejam interrompidos – algo que a pesquisa indica acontecer uma em cada dez vezes, em média, o que perfaz 171 interrupções no decorrer de um ano típico. Por sinal, quase sempre pelas parceiras, que um quarto dos homens acusam de não saber dar o devido valor à vida ocupada que levam.

14 por cento abastecem-se com revistas, livros e até comida.

Não fossem estas escapadelas e 25 por cento dos inquiridos não seriam capazes de lidar com a vida, de todo (para vermos como sofrem). Valha-lhes o seu lugar seguro na privada, que 14 por cento chegam a abastecer com revistas, livros e até comida para os momentos mais duros.

E sim, também as mulheres têm uma relação muito própria com a casa de banho, conforme lhe mostramos na fotogaleria. Quanto mais não seja a limpá-la…