O melhor conselho: «Tens de trabalhar muito e não desistir à primeira dificuldade»

O chef Luís Gaspar revela que o melhor conselho que recebeu até hoje chegou dos seus pais Guilherme e Hermínia. Tem seguido a orientação parental. E isso tem dado frutos.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia D.R.

Em 2017, Luís Gaspar venceu o concurso de Chefe Cozinheiro do Ano. Desde então, abriu a Casa Lisboa, no Terreiro do Paço, e alterou a morada do restaurante Sala de Corte (agora na Praça D. Luís I, no Cais do Sodré), aumentando a lotação de 28 para 66 lugares.

Hoje, o chef Luís Gaspar diz-se realizado com os projetos que tem em mãos e entusiasmado por, em parceria com Rui Sanches, presidente da Multifood – empresa que detém vários espaços e marcas ligados à restauração –, estar já a pensar noutro para inaugurar em breve.

Luís Gaspar fez a sua formação ma Escola Profissional de Leiria, de onde é natural.

Antes de se afirmar no mundo da cozinha, o chef, formado na Escola Profissional de Leiria, de onde é natural, diz que o percurso que fez foi facilitado pelo apoio dos pais, apesar das preocupações típicas de quem vê o filho sair de casa ainda menor.

«Vim morar para Lisboa sozinho aos 17 anos. Os meus pais preocupavam-se muito, especialmente a minha mãe», diz Luís, agora com mais dez anos de vivência na capital.

«Se queres ser cozinheiro tens de trabalhar muito e não podes desistir à primeira dificuldade. Mantém a humildade e sê persistente», foi o conselho dos seus pais quando se mudou para Lisboa

«Se queres ser cozinheiro tens de trabalhar muito e não podes desistir à primeira dificuldade. Mantém a humildade e sê persistente», aconselharam os pais quando o filho se estreou no seu primeiro emprego no Pestana Palace Hotel & National Monument, em Lisboa, onde foi sujeito à «grande competitividade» que ali existia.

Mais tarde, a convite de Henrique Sá Pessoa – com quem esteve no restaurante Cais da Pedra e no Mercado da Ribeira –, chegou ao grupo Multifood (em 2013), onde tem condimentado a sua carreira.


Veja também:

A minha mãe dizia-me: «Nunca deves comparar-te com os que achas que são piores»