Masturbação: 7 factos que convém ficar a saber agora mesmo, segundo a ciência

Já foi considerada uma prática obscena e impura, a ponto de se achar que quem recorria a ela só podia ficar cego ou com as palmas das mãos cobertas de pelo. Afinal não: a masturbação é tudo menos um castigo, diz a ciência. Além de elevar a autoestima, faz maravilhas pela saúde.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

NÃO PREJUDICA RELACIONAMENTOS

Há parceiros que se sentem ameaçados pela ideia de o outro ter prazer sozinho: se pode haver sexo a dois, então porquê masturbar-se? «Para começar, porque isso me permite descobrir como funciona o meu corpo, do que gosto, o que me dá mais prazer, com a vantagem de poder tê-lo onde, quando e como quiser», diz a psicóloga e sexóloga Cristina Mira Santos. Já para não falar no facto de serem experiências totalmente diferentes, que não se anulam. E de todo este autoconhecimento aumentar as hipóteses de prazer com o outro, o que nos leva de imediato ao ponto seguinte.

TRAZ INOVAÇÃO AO CASAL

Segundo um estudo norte-americano publicado em fevereiro de 2017, mulheres que têm orgasmos frequentes (a maioria dos quais pela via da masturbação) revelam uma maior abertura a receber sexo oral, experimentar relações sexuais mais prolongadas e satisfatórias, pedir o que querem na cama, elogiar o/a parceiro/a por algo que tenham feito no sexo, fantasiar, tentar novas posições, incorporar conversas sexuais e expressar amor durante o ato. Se dúvidas houver de que não prejudica o relacionamento…

É PRÁTICA DA MAIORIA

Para os que ainda julgam que a prática se limita aos adolescentes com as hormonas aos saltos, um estudo britânico indica que cerca de 40 por cento das mulheres e 70 por cento dos homens comprometidos se masturbam regularmente, com todos os benefícios que a prática acrescenta à vida amorosa do casal. É verdade: toda a gente faz, não há nada de que se envergonhar. Até aqueles que dizem mal tiveram de experimentar primeiro para saberem do que falam.

NÃO HÁ RAZÃO PARA TER CULPA

Facto: metade de nós sente uma espécie de desaire pós-masturbação, quer se trate de homens ou mulheres. Facto: há razões pessoais, religiosas e culturais que contribuem para esse sentimento, decorrente do preconceito e da noção de pecado associados à palavra. Ainda assim, a masturbação é tão benéfica que o próprio Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido aprofunda o tema na sua página online. Já para não dizer que aquilo que cada um faz na intimidade só a si diz respeito.

ALIVIA DORES

Boas notícias, sobretudo para elas: após o orgasmo, o organismo produz uma série de relaxantes químicos (endorfinas, hormonas, citocinas, dopamina e outros) que atuam como um analgésico natural contra dores menstruais e outras do foro ginecológico. Masturbar-se contribui ainda para desinflamar a zona genital, o que diminui a pressão causada pelas dores e, com ela, o mal-estar que costuma anteceder e acompanhar o período. Além de que pode fazê-lo sem parceiro, quando quiser, sem risco de uma gravidez indesejada ou doenças sexualmente transmissíveis.

MELHORA AS DEFESAS DO ORGANISMO

E as vantagens continuam a contar: a avaliar por um artigo divulgado na publicação científica Sexual and Relationship Therapy, o sistema imunológico dos homens que se masturbam funciona melhor do que o daqueles que não dão prazer a si mesmos, dado produzirem mais imunoglobulina A (IgA, um anticorpo). Outra pesquisa do Cancer Epidemiology Centre, em Melbourne, Austrália, concluiu que os homens dos 20 aos 50 anos que se masturbam mais de cinco vezes por semana são menos propensos a virem a ter cancro no futuro. No caso das mulheres, estudos sugerem que a masturbação evita infeções – ao abrir o colo do útero e libertar fluidos cervicais – e ajuda a prevenir a endometriose.

FAZ BEM À SAÚDE

É a ciência que o diz: masturbar-se melhora o ânimo e a autoestima; reduz os níveis de stress; acelera o coração e a circulação sanguínea; reduz o risco de doença cardíaca e diabetes; favorece o autoconhecimento do corpo e o prazer. Uma pesquisa divulgada na revista European Urology acrescenta que ejacular regularmente ajuda a reduzir o cancro da próstata em homens. Ah, e ainda aumenta as endorfinas (as chamadas hormonas do bem-estar), pelo que se quer evitar tristezas é só pôr mãos à obra.