Menopausa: quais os sintomas e como viver melhor com eles?

É frequente que apareça entre os 45 e os 58 anos e é, para a maioria das mulheres, um bicho-de-sete-cabeças. Após doze meses consecutivos sem qualquer período menstrual, começam os «afrontamentos» e suores.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia ShutterStock

Os calores e os «afrontamentos» são apenas uma parte daquilo que pode acontecer à mulher com menopausa. A secura vaginal, maior frequência de infeções urinárias, a urgência miccional ou a incontinência podem ser outros sintomas resultantes da menopausa. Além destes, pode surgir também mal-estar sexual.

«O bem-estar sexual depois da menopausa pode parecer uma meta inatingível»

A propósito do Dia Mundial da Menopausa, que se assinala esta quinta-feira, a International Menopause Society (IMS), aborda o tema de forma a consciencializar mulheres, homens e especialistas sobre o tema.

«O bem-estar sexual depois da menopausa pode parecer uma meta inatingível para muitas mulheres. Dependendo das circunstâncias psicológicas e das mudanças biológicas, a menopausa pode ser associada a constrangimento no relacionamento», pode ler-se no trabalho desenvolvido pela IMS.

«Vários estudos realizados em diferentes países mostram que a intimidade sexual é muito importante na vida das mulheres. Os problemas sexuais de meia-idade podem assim ser divididos em sintomas sexuais crónicos que envolvem o desejo sexual, excitação, orgasmo e dor», acrescenta ainda.

Estes problemas, indica o mesmo estudo da IMS, são muitas vezes escondidos pelas mulheres, por falta de informação ou até por falta de conhecimento dos próprios médicos.

A Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG) também faz referência aos obstáculos que podem surgir em relação à vida sexual. «Muito embora a maioria das mulheres permaneça sexualmente ativa durante o climatério, um número significativo (60%) refere um decréscimo na atividade sexual, desejo hipoativo (diminuição das fantasias ou pensamentos sexuais) e evitamento sexual. Podem também estabelecer-se após a menopausa perturbações do orgasmo e da excitação e mais tardiamente, com maior frequência, dispareunia (síndrome doloroso génito-pélvico)», pode ler-se no Consenso Nacional de Menopausa, publicado pela SPG em 2016.

O Hospital da CUF tem alguns conselhos para lidar melhor com a menstruação, não só ao que à saúde sexual diz respeito, como também em relação aos afrontamentos, depressão e alterações de humor. Veja alguns na fotogaleria em cima.


Veja também:

40 por cento das pessoas preferem ter Wi-Fi a sexo, diz estudo