Mulher foi torturada e violada após ser raptada na rua em Loures. Vítima conhecia um dos raptores

Foram detidas quatro pessoas que raptaram uma mulher na localidade de Pinheiro de Loures, que foi mantida em cativeiro durante horas, tendo sido torturada e violada. Os raptores tinham premeditado agredir sexualmente a vítima que conhecia um dos raptores, diz a Polícia Judiciária.

DN/Lusa

Polícia Judiciária (PJ) deteve quatro pessoas que raptaram uma mulher na localidade de Pinheiro de Loures e a mantiveram em cativeiro durante horas, onde foi torturada e violada.

Segundo adianta um comunicado desta polícia, a pronta intervenção da Unidade Nacional Contra-Terrorismo (UNCT) da PJ, que contou com a estreita colaboração da Divisão da PSP de Loures, permitiu localizar e libertar a vítima, de 40 anos, e deter, em situação de flagrante delito, dois dos raptores.

De acordo com a PJ, a vítima foi raptada na via pública, com contornos de grande violência, estando presente o seu namorado, que foi violentamente espancado e agredido, tendo a mulher sido mantida em cativeiro durante várias horas.

Em conferência de imprensa, a PJ refere que os raptores tinham premeditado agredir sexualmente a vítima feminina e que terá sido esse o móbil do crime.

Segundo esta força policial, a mulher conhecia um dos raptores num contexto de consumo de estupefacientes. A vítima encontrou-se com os indivíduos para consumo de estupefacientes, na companhia do namorado, que foi brutalmente agredido. A mulher foi depois raptada e levada para casa de um dos raptores, onde foi torturada e violada, explicou a PJ ao jornalistas.

No decurso da operação – acrescenta a PJ – vieram a ser detidos mais outros dois coautores dos crimes em causa.

Aos detidos, com idades entre os 26 e os 48 anos, foram apreendidos “relevantes elementos de prova”, designadamente equipamentos de telecomunicações, vestuário e uma arma.

Os quatro detidos serão interrogados pelo Tribunal de Instrução Criminal de Loures para aplicação de medidas de coação.

A PJ refere que a operação que permitiu libertar a vítima e deter os suspeitos resultou de rápida comunicação da PSP, efetuada na madrugada de segunda-feira, a qual dava conta da ocorrência de um crime de rapto.