O melhor conselho para Rita Blanco: «Ler, ler sempre»

Saiba qual foi o melhor conselho que Rita Blanco recebeu na vida. Diz que foi dito pelo seu padrasto Nuno Duarte.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia de Bruno Raposo/Global Imagens

Recentemente, estreou Sara, série em exibição na RTP2, e no início do mês voltou ao grande ecrã, com Carga, filme português sobre o tráfico de pessoas.

No currículo tem participações em várias telenovelas, séries, peças de teatro e filmes. Foi no cinema que arrecadou quatro Globos de Ouro de melhor atriz (Ganhar a Vida, Sangue do Meu Sangue, A Gaiola Dourada e Fátima). E outros prémios tem reunido ao longo da sua carreira. O maior, diz, é o reconhecimento do público, a quem agradece repetidamente.

Aos 55 anos, Rita Blanco mantém a humildade que lhe é conhecida e não esquece os ensinamentos que lhe foram transmitidos na infância. Há um especial: «Ler, ler sempre.»

«Foi um conselho que ouvi várias vezes. Julgo que a frase até é de Fidel Castro. Tanto o meu pai como a minha mãe e o meu padrasto repetiam-na várias vezes. Mas penso que a primeira pessoa a dizer-me isto foi o meu padrasto», conta.

«Nunca esqueço estas palavras. Ainda hoje leio bastante e sou admiradora de vários autores», diz. «Gosto de tantos, dos mais clássicos aos mais contemporâneos. Posso dizer alguns: Philip Roth, Oscar Wilde ou Liev Tolstói, sei lá, são muitos.»

A leitura é, portanto, essencial a Rita, que não dispensa os livros na sua vida e que deixou mesmo as redes sociais (Facebook e Instagram, leia-se) «porque faz perder imenso tempo de leitura», como disse em entrevista ao Diário de Notícias. «Eu preciso absolutamente de ler, senão morro», concluiu.