Óleos essenciais: o que são, para que servem e como aplicar

Estão em vários formatos, têm diversos benefícios e podem ser aplicados de diferentes formas. Os óleos essenciais despertam cada vez mais a curiosidade das pessoas, que procuram alternativas ou complementos da medicação.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia iStock

São extraídos de plantas, árvores, raízes ou frutos e os benefícios vão desde a parte respiratória ao controlo da ansiedade, passando pelas manchas da pele ou relaxamento muscular.

De acordo com Luísa Cunha, uma das vendedoras de óleos essenciais da doTerra em Portugal, estes são produtos «100 por cento biológicos, sem misturas nem tóxicos», que são «sujeitos a vários testes» pelas equipas de investigação que trabalham para a empresa norte-americana. «Se algo indicar que não estão 100 por cento, retiram-no logo do mercado».

Os óleos podem ser aplicados de diferentes formas, seja pelo aroma, aplicado na pele ou por via interna (bebido ou através de cápsulas). O óleo essencial de limão, por exemplo, pode ser misturado com água.

Os óleos essenciais podem também ser utilizados como aromatizantes em casa. «Existem cheiros mais tranquilizantes, outros, por exemplo, que ajudam na concentração», diz Luísa Cunha.

Os óleos não devem ser misturados com líquidos caso decida colocá-los a ferver. Dessa forma irão perder as suas características. Se decidir introduzir o seu óleo num chá, por exemplo, só deve fazê-lo depois de a água já ter fervido.

Noutros casos, os óleos não podem ser ingeridos. O Deep Blue, resultante de uma mistura de várias plantas, é indicado como ideal para o relaxamento muscular ou problemas nas articulações e só deve ser utilizado através do aroma ou aplicado na pele.

A vaporização destes óleos, seja através de difusores ou queimadores, ajuda não só no bem-estar das pessoas como também na aromatização das casas. «Existem cheiros mais tranquilizantes, outros, por exemplo, que ajudam na concentração. Quando as minhas filhas estão a estudar coloco um aroma que as faz manter o foco», diz Luísa Cunha.

A vaporização, seja através de difusores ou queimadores, é uma das alternativas de aplicação dos óleos essenciais.

No caso da aplicação na pele, a vendedora indica que existem zonas mais sensíveis, em que a atuação pode surtir mais efeito. «Planta dos pés, zona da coluna vertebral, fontes, testa e junto das orelhas são algumas das zonas em que deve aplicar o óleo», sendo que «tudo depende do tipo de tratamento que está a fazer».

«Se estiver com problemas de congestionamento, talvez o ideal seja colocar um óleo indicado no peito e junto do nariz», aconselha.

«Os óleos essenciais não devem ser substitutos da medicação, mas sim complementares»

De acordo com Luísa Cunha, que faz workshops sobre o tema, cada tipo de óleo essencial tem os seus benefícios. Através da fotogaleria pode ver alguns dos principais óleos e quais são as suas áreas de atuação.

Cunha, que está a especializar-se em aromaterapia, sublinha que os óleos essenciais «não devem ser substitutos da medicação, mas sim formas complementares da mesma». «Nos EUA, existem muitos hospitais que utilizam os óleos essenciais, especialmente para atuarem de forma antibacteriana», diz.