Os números das migrações em Portugal e na Europa

Portugal já foi um país de emigrantes com alguns imigrantes (era assim há 40 anos). Hoje é essencialmente um país de migrantes, que não só acolhe milhares de estrangeiros como vê ainda retornar muitos nacionais. Mas vamos a números:

Dados recolhidos por Ana Pago

480 300 é o número de estrangeiros que vivem em Portugal, de acordo com o relatório de imigração, fronteiras e asilo (RIFA) do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A maior comunidade de imigrantes em Portugal é a brasileira: 105 423 cidadãos, o que significa que um em cada cinco estrangeiros a viver cá tem essa nacionalidade. Houve ainda um aumento dos pedidos de autorização por parte de cidadãos bengali (+165,1%), brasileiros (+143,7%), nepaleses (+141,2%), indianos (+127,3%) e venezuelanos (+83,2%).

Dados destacados pela Pordata no Dia Internacional das Migrações (18 de dezembro) acrescentam que a comunidade francesa é a segunda que mais cresceu nos últimos dez anos (mais 400% do que em 2008). A primeira é a nepalesa, que aumentou de 560 para 11 487 indivíduos, ou seja, 21 vezes (1950%). Mesmo assim, Portugal é o oitavo país da União Europeia com menos estrangeiros em percentagem da população (apenas 4,1%), logo acima da Hungria, que tem uma política ferozmente anti-imigração.

Dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM) apontam para uma crise migratória ímpar em 2015, com um fluxo de migrantes nunca antes visto na União Europeia a fugir da guerra e da instabilidade: mais de um milhão, no total, incluindo mais de 850 mil via Grécia, principalmente da Síria (56%), do Afeganistão (24%) e do Iraque (10%).

Em 2018, os países da UE registaram 580 800 novos pedidos de asilo – menos de metade do pico de 1,26 milhões alcançado em 2015 – com os sírios a liderar nestas solicitações (80 900). Afegãos e iraquianos surgem em segundo e terceiro lugares, respetivamente com 41 mil e 39 600 pedidos de asilo, à frente de paquistaneses, iranianos, nigerianos e turcos.

Na Europa, entre os países que mais concederam asilo em 2018 constam: Alemanha (139 600), Itália (47 900) França (41 400). Segundo o Eurostat, ainda em 2019 os países da União Europeia concederam proteção a cerca de 333 mil requerentes de asilo (menos 40% em relação ao ano anterior). Os Sírios foram os que mais beneficiaram (29% do total), seguidos dos afegãos (16%) e dos iraquianos (7%).