Pedro Strecht: «Quantas vezes não vemos famílias a jantar, cada um agarrado ao seu ecrã?»

Em média, uma mãe ou um pai passam 37 minutos por dia com o seu filho. Os miúdos estão cerca de oito horas na escola, menos do que o tempo que os seus pais passam a trabalhar. Escola e trabalho que muitas vezes, demasiadas vezes, são levados para casa. Já para não falar no tempo que é despendido a olhar para um ecrã, de telemóvel, de tablet, de computador, mesmo quando estão todos juntos, fisicamente. O que andamos a fazer com o nosso tempo? É esta a questão de fundo que perpassa o mais recente livro do pedopsiquiatra Pedro Strecht Pais Sem Pressa – O tempo na relação entre pais e filhos, lançado ontem. Talvez seja tempo de parar para pensar.
Entrevista de Catarina Pires | Fotografia de Leonardo Negrão/Global Imagens

Trinta e sete minutos por dia é, em média, o tempo que passamos com os nossos filhos. Teremos consciência disso?
São os resultados de um estudo do ISCTE de há uns anos e dizem respeito ao tempo que passamos em contacto direto e exclusivo. É preocupante porque às vezes as pessoas estão fisicamente próximas, mas o contacto direto, espontâneo, de interação, diminui. Quantas vezes não vamos a um restaurante e vemos famílias a jantar, cada um agarrado ao seu ecrã, sem conversarem ou interagirem uns com os outros? É aflitivo.

O que se passa para que casais ou pais e filhos não tenham vontade ou necessidade de interagirem uns com os outros?
Há um certo vazio de comunicação real. Cada um está sintonizado no seu mundo. Estando próximos fisicamente, cada um está focado na sua própria realidade intrapsíquica, sem grande partilha com os outros e isso é assustador. Sobretudo porque, paradoxalmente, o que vemos, eu vejo isso muito aqui no consultório, é que as pessoas têm imensa necessidade de falar e de serem ouvidas. Tanto adultos como miúdos.

É preciso desligar, diz no seu livro. Não deverão ser os pais a dar o exemplo?
Acho que há cada vez mais pais à procura disso, mas não sei se têm essa consciência e a capacidade de agir em conformidade. Há uma perspetiva de que falo no livro, que é a do homo laborans – o homem trabalhador – que hoje é dominante e também passa para os miúdos. Parece que estamos moldados para trabalhar, produzir, no sentido de dar uma mais-valia económica e e há toda uma linguagem economicista que predomina na nossa sociedade. Há pais que me dizem: ele está numa escola particular e eu não tenho retorno. Retorno de quê? Esta visão determina o padrão prioritário das relações. E o que eu digo é que não é preciso fazer grandes ruturas, não é preciso deixar tudo e mudar de vida, mas podem fazer-se pausas conscientes e perceber o peso que o tempo mal administrado acaba por ter nas nossas rotinas.

E as consequências que isso tem.
Sim, porque «estar sempre ligado» é nocivo. Há profissões em que mesmo no que devia ser o tempo de descanso, as pessoas continuam a ser bombardeadas sem hipótese de arrumarem gavetas e estabelecerem limites. E isso é a causa daquilo a que alguns especialistas chamam de «excesso de positividade» – a pessoa está sempre ligada -, o que leva, nos adultos muitíssimo, mas também já nos adolescentes, a todas aquelas situações de burn out. No fundo as pessoas explodem por falta de uma energia física e psíquica que está completamente absorvida por tudo aquilo que lhes é continuamente pedido.

Isso acontece também com os miúdos, que têm metas curriculares estabelecidas desde o pré-escolar, além de todas as atividades extra que lhes ocupam quase todo o tempo em que estão acordados.
Há uma sobrecarga muito grande dos miúdos no que respeita a este tipo de estímulos: muitas horas na escola, sobrecarga de trabalhos de casa, atividades extracurriculares… uma sucessão de ocupações que leva a que não tenham tempo para parar e digerir a experiência. É como se eu estivesse a alimentar uma criança sem parar, ela às tantas não aguenta mais, enche tanto que vomita. Por isso é que os miúdos acabam por dar respostas extremas: ou aderem e estudam, estudam, estudam e podem desenvolver sintomas de burn out ou depressão e ansiedade nessas ou simplesmente, desistem, encostam e pensam «se crescer é isto então mais vale não crescer». Daí que hoje exista muito maior imaturidade nos adolescentes e jovens adultos. A questão do tempo futuro que hoje é projetado para o tempo presente, o aqui e agora dos miúdos, é demolidor. Faz-me muita confusão que, por exemplo, se diga a miúdos de 14/15 anos que têm que estudar muito porque a média conta e se não estudar não vai ter um emprego bom, não vai ganhar o suficiente, a vida vai ser uma porcaria… É uma antecipação da construção do tempo para o aqui e agora que acho que é completamente angustiante. Penso que os miúdos têm muito pouco tempo para gerir o seu tempo.

Talvez fosse importante dizer aos pais que isso não é «produtivo».
Sim. Antes pelo contrário. É como a entrada para a escola, que muitas vezes é prematura. É um erro os miúdos entrarem antes dos seis anos. Há todo um tempo de crescimento e de maturidade que hoje acaba por ser muito compactado, dando pouca disponibilidade para os miúdos fazerem a integração e a digestão das próprias experiências.

Se os filhos viessem com manual de instruções, quais seriam as mais básicas?
Antes de mais, a indicação de «Frágil», no sentido de que as crianças e adolescentes modelam-se e tudo aquilo que venham a ser um dia, independentemente de todo o potencial que tenham, vai depender do que é estimulado ou não em forma e tempo adequado. E também «Este lado para cima» [a cabeça], dando-lhes a possibilidade de olharem o presente e o futuro a seu tempo e com maior tranquilidade e bem-estar.

As regras e a disciplina são fundamentais, toda a gente sabe, mas nem sempre os pais conseguem impô-las. Porquê?
Olhe, muitas vezes por falta de tempo. Como os pais sentem que estão pouco tempo com os filhos, quando estão não querem comprar guerras e acabam por facilitar muito. Mas ser pai implica a parte chata, de dizer não, de contrariar, de frustrar. E é preciso ter consciência disso.

Ser o melhor amigo dos filhos, muito em voga nas novas gerações, não é a melhor forma de «exercer» a parentalidade?
Não. Há coisas do tempo adulto e coisas do tempo infantil e adolescente: Há coisas em comum, que se pode partilhar, mas há outras que não. Pais e filhos não são a mesma coisa e não devem ser.

Nas suas consultas, o que sente que há de mais errado na relação entre pais e filhos? O que os traz mais à sua consulta?
Sobretudo a falta de tempo para verdadeiramente comunicar. Há pouco falávamos da necessidade que todos têm de ser ouvidos e isso está muito em falta. E depois um constante funcionamento de alta expetativa e de resposta imediata e de pouca gestão dos conflitos… parece que todos querem muito aqui e agora tudo, tornando o ceder e a capacidade empática mútua mais difíceis. É preciso cultivar a capacidade de esperar, de ouvir e de dar tempo ao outro.

No meio de tudo isto, ainda podemos falar de amor incondicional?
Pois. Devíamos. Até pela impossibilidade de devolução do material. Ter um filho é um compromisso para a vida e a pessoa tem que o assumir e estar disponível para ele.

Mas também é fundamental a ideia de que não temos que ser pais perfeitos, não é?
Claro. É aquele conceito do Winnicot dos «pais suficientemente bons». Mesmo com manual de instruções, também falhamos, podemos demorar mais tempo, não temos que ser perfeitos.

Leia a versão completa desta entrevista na edição em papel da DN Life, com o Diário de Notícias, no dia 21 de outubro.