Perder uns quilos a abrir o ano? É assim que se faz

São dicas tão simples que parecem impossíveis de resultar, mas lá diz o ditado: um elefante come-se às fatias. Que é como quem diz que isto, aos poucos, faz-se. Tudo para que as resoluções de Ano Novo não se fiquem pelo papel no que toca ao peso.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

É uma palavra carregada, com a fama (e o proveito) de se acumular em recantos difíceis da nossa anatomia para nunca mais de lá sair. Só de lhe pronunciarmos o nome – gordura – já se nos enrola na língua, quanto mais no resto do corpo. A boa notícia é que existem uns quantos truques simples que lhe dão luta ainda antes do Ano Novo (ou a começar logo em janeiro, vá). A época das festas não tem de ser desastrosa.

ORGANIZE-SE

Estamos sempre a ouvir dizer que a pressa é inimiga do bom e o princípio também se aplica à alimentação: quem nunca chegou tarde a casa (ou ao trabalho sem marmita) e acabou a devorar um pacote de batatas fritas e um croissant? Para evitar estes desaires, segundo a nutricionista Rita Rocha de Macedo, o único segredo é planear os menus para a semana: poupa-nos trabalho, dinheiro e deixa-nos com comida saudável para as emergências. Outro truque importante é cozinhar e ir às compras sem fome, para não sermos tentados pelos ambientes suculentos em redor.

FAÇA DIAS MAGROS

Tal como é fácil cair em exageros, também se torna simples intervalar os excessos das festas com dias mais leves em calorias, que permitam ao corpo livrar-se da retenção de líquidos e sensação de barriga pesada resultantes do abuso de açúcar, sal e comida processada. Ao pequeno-almoço aposte num batido saudável. Almoço e jantar pedem sopas, saladas, um peixe grelhado, vegetais, fruta fresca. Enquanto isso, beba bastante água e não fique mais de três horas sem comer para não exagerar na refeição seguinte.

PROTEÍNA PELA MANHÃ

Pode consumi-la com um bom batido proteico ao pequeno-almoço, um ovo, um pouco de iogurte natural. Certo é que a proteína é um macronutriente construtor e reparador, sem o qual arriscamos afetar órgãos, tecidos e massa muscular. Diversos estudos relacionam o consumo equilibrado de proteínas com a redução de gordura, ganho muscular e manutenção do peso ideal. Outros indicam ainda que a ingestão regular aumenta até 35 por cento a queima calórica após a refeição.

TONELADAS DE VEGETAIS

Lógico que é uma força de expressão: ninguém se vai pôr a comer uma tonelada de alface. Fica, porém, a ideia de que pode muito bem centrar o seu regime alimentar nos vegetais, seja naqueles momentos em que lhe apetece um snack (gulodices não valem) ou mesmo substituindo um almoço ou jantar potencialmente robustos por uma tigela de sopa ou um prato generoso de salada. Aos poucos, o organismo irá começar a sentir-se saciado com refeições mais leves, que o habilitam a comer menos e melhor. Ainda mais importante: sem nunca sentir que passa fome.

LEVE AO DEITAR

É capaz de ser dos maiores erros e, mesmo assim, insistimos em consumir o grosso das calorias ao jantar, com pratos pesados regados a álcool, muitos snacks e ceias fartas a desoras. A dica é fazer uma refeição tão leve quanto possível (uma sopa, uma omeleta, um pouco de peixe ou frango grelhado com legumes) pelas 19h00, de forma a aliviar o sono do peso da digestão. Ah, e durma o suficiente: a falta de descanso torna o metabolismo mais lento, além de interferir com as hormonas ligadas ao apetite e ao equilíbrio energético.