Como prevenir problemas intestinais nas férias

Dores de estômago e mal-estar durante as férias? Saiba o que pode fazer para contornar os problemas que podem surgir das alterações alimentares.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia ShutterStock

As férias são um período de alegria, satisfação e descanso. No entanto, devido às alterações alimentares e até alguma desidratação podem tornar-se um período bastante desagradável.

Jorge Fonseca, professor do Instituto Universitário Egas Moniz e especialista em gastrenterologia, falou com a revista Life sobre os imprevistos que podem ocorrer durante as férias e a melhor forma de os contornar.

«Durante as férias é muito natural haver algumas infeções intestinais, decorrentes das alterações alimentares, bem como desidratação devido à grande exposição solar e à ingestão de menos líquidos», começa por explicar o especialista.

«Em relação à desidratação é importante ter especial atenção às crianças, idosos e doentes crónicos», que são os grupos mais vulneráveis

Para contornar este tipo de problemas, explica o professor, é necessário ter «cuidados fundamentais». «Em relação aos líquidos, se não tiver confiança total no sítio onde está, o melhor é pedir sempre engarrafados» e ter atenção às distrações, especialmente com a ingestão de água.

«É natural que as pessoas distraírem-se nas férias e passarem muito tempo sem consumir líquidos», frisa o gastrenterologista, acrescentando que esta é uma situação problemática, especialmente devido às horas de exposição solar.

«Em relação à desidratação é importante ter especial atenção às crianças, idosos e doentes crónicos», que são os grupos mais vulneráveis.

Sobre a alimentação, Jorge Fonseca considera que é natural que, durante o período de férias, se procure variar e produtos diferentes. No entanto, lembra, há que escolher restaurantes de confiança ou confecionar bem os alimentos.

«Por exemplo, nas sandes que levamos para a praia, não se deve optar por alimentos que se degradem com o calor. Maioneses, molhos ou carnes devem ser evitados», explica o especialista, salientando que os alimentos têm de estar bem guardados e que deve ser apenas «uma pessoa a colocar os produtos nos recipientes». «Esta é uma forma de evitar as infeções, que são muitos mais frequentes no verão», diz.

«Em caso de diarreia, é importante também tomar probióticos e, no caso de maior intensidade, medicação»

O professor do Instituto Universitário Egas Moniz realça ainda a especial atenção para as picadas de insetos, também muito frequentes nos dias quentes.

Questionado sobre a melhor forma de lidar com uma infeção intestinal, o especialista considera que a solução passa por «não entrar em pânico» e «hidratar-se muito bem». «Em caso de diarreia, é importante também tomar probióticos e, no caso de maior intensidade, medicação».

«Só deve procurar um médico se verificar que está com febre acima dos 37,5 graus, se houver presença de sangue nas fezes e ainda se tiver sinais de desidratação, como tonturas ou falta de força para as atividades diárias», diz Jorge Fonseca.