“Roubaram-me uma medalha”. Final dos 110 metros barreiras causa polémica [vídeo]

Final dos 110 metros barreiras causa polémica.
© REUTERS/Ahmed Jadallah

Orlando Ortega estava bem encaminhado para ganhar uma medalha nos 110 metros barreiras. Mas um toque com o campeão olímpico Omar McLeod, que entrou na sua pista, estragou-lhe o sonho.

Nuno Fernandes

A final dos 110 metros barreiras dos Mundiais de atletismo que decorrem em Doha está debaixo de uma enorme polémica. Orlando Ortega, atleta hispano-cubano estava bem posicionado para terminar entre os três primeiros lugares quando a dada altura um adversário, o jamaicano Omar McLeod, campeão olímpico, entrou na pista do rival, caiu e tocou em Ortega, fazendo com que este perdesse tempo e terminasse em quinto lugar.

“Estou sem palavras, isto é um roubo, uma lástima. A federação de atletismo tem de fazer com este evento porque não é a primeira vez que acontece”, queixou-se Ortega no final da prova. “Sei que há atletas mais rápidos do que eu nas três primeiras barreiras, mas depois sou muito forte. E justamente quando estava num lugar para medalhas, o McLeod entrou na minha pista. Roubou-me uma medalha, podia ter lutado pelo ouro. Estou há um ano a trabalhar para isto e depois na final acontece isto. É impressionante. Entendo que na prova haja toques de mãos, mas não posso aceitar encostos, isso não posso aceitar. Se me ganharem porque são melhores do que eu, tudo bem, aceito. Agora desta forma não”, acrescentou.

A federação espanhola de atletismo reclamou do sucedido e pediu a repetição da corrida. Mas os juízes de apelação recusaram, justificando que apesar de Ortega ter sido travado, este tipo de situações acontecem nas provas de 110 metros barreiras.