Rute Agulhas: assuntos incómodos para criar impacto emocional

Formada em psicologia na Universidade Clássica de Lisboa e autora de vários livros na área da psicologia, Rute Agulhas será cronista semanal da nova revista do Diário de Notícias, a DN Life. Conheça a autora que promete temas controversos mas que considera serem necessários abordar.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia de Orlando Almeida/Global Imagens

«Temas duros, que gerem impacto emocional na sociedade, mas que vão ser explicados de forma natural». É desta forma que a psicóloga especialista em psicologia clínica e saúde, psicoterapia descreve as crónicas que vai, a partir deste domingo, escrever semanalmente no site da DN Life (pode ler aqui a primeira crónica).

Rute Agulhas tem vários livros publicados nas mais variadas vertentes da psicologia (como Divórcio e Parentalidade, Diferentes Olhares: Do Direito à Psicologia ou Casos Práticos em Psicologia Forense), é também terapeuta familiar e professora no ISCTE-IUL. Não esconde a importância do ensino e a aprendizagem que tem tido com os seus alunos, com quem desenvolve trabalhos de investigação, «sempre com alguma ligação benéfica para a sociedade».

«Do feedback que tenho recebido, o que me dizem é que consigo abordar temas difíceis de uma forma mais acessível»

A especialista, de 44 anos, promete um tom provocatório nas suas crónicas, todas elas baseadas em histórias reais, «devidamente alteradas», esclarece, para que os verdadeiros protagonistas não se sintam identificados.

«Do feedback que tenho recebido, o que me dizem é que consigo abordar temas difíceis de uma forma mais acessível. O suicídio ou o abuso sexual são temas menos falados, que ficam fechados no meio, mas que têm de ter impacto emocional e ser explicados de forma natural», explica Rute Agulhas.

«Vou utilizar muitas vezes a abordagem na primeira pessoa. Gosto muito de assumir uma personagem, acho que as pessoas conseguem perceber melhor, identificar-se com o testemunho e aproximar-se da história», diz ainda.

A psicóloga adianta que alguns dos seus textos vão partir também das suas experiências em voluntariado, que considera parte muito importante do seu percurso. «Faço muito trabalho voluntário em África e também com sem-abrigo. Num dos artigos, por exemplo, vou explicar a minha experiência ao dormir na rua com um sem-abrigo», revela a psicóloga.

«Tinha uma disciplina de psicologia e simpatizei muito com a professora – com a qual me encontrei mais tarde – e interessei-me bastante pelo pensamento humano»

O interesse pela área do crime, conta, começou precisamente no voluntariado. Desta vez na APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Aqui lidou não só com vítimas de maus-tratos, como também com os próprios abusadores.

Desde 2005 que Rute Agulhas integra também a equipa da Delegação Sul do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses. O seu percurso e investigação levaram a que a nova cronista da DN Life fosse ainda nomeada pela Ordem dos Psicólogos Portugueses para integrar o Board on Human Rights, criado pela EFPA – European Federation of Psychologists Associations.

Ainda no secundário, Rute Agulhas já sabia que ia seguir psicologia. «Tinha uma disciplina de psicologia e simpatizei muito com a professora – com a qual me encontrei mais tarde – e interessei-me bastante pelo pensamento humano», confessa. Pensamento humano, que será, aqui, no site da DN Life, escrutinado, discutido e confrontado todas as semanas.

Siga-nos no Facebook e fique a par de todas as crónicas da psicóloga Rute Agulhas (leia aqui a primeira).