Triplicaram as queixas nos serviços de saúde (privados não são excepção)

Entre janeiro e setembro deste ano foram apresentadas 2034 queixas por utentes dos serviços de saúde portugueses. Mau serviço prestado é o principal motivo das reclamações enviadas para o Portal da Queixa.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografia Shutterstock

Hospitais e maternidades, centros de saúde e serviços de saúde privados. Ninguém escapou às queixas dos utentes portugueses, que reclamaram 2034 vezes no Portal da Queixa, entre janeiro e setembro deste ano.

Este número aumentou 72 por cento em relação ao mesmo período do ano passado. O mau atendimento, ou falta dele, surge como o principal motivo das reclamações dos portugueses (totalizando 130 queixas). O tempo de espera nas instituições de saúde é outra das razões de queixa dos utentes.

«Abandonados na sala de parto, o médico passou uma vez em 48 horas e outro apareceu para fazer o parto. Quando chamávamos as enfermeiras, a demora era sempre acima de 20 minutos», DESCREVE UM DOS UTENTES QUE RECLAMOU.

«Cerca de 105 reclamações referem-se à falta de informação e esclarecimentos dados pelos serviços aos utentes, bem como a falta de condições e triagem mal feita. Estas apresentam-se como as principais reclamações dos portugueses», pode ler-se no comunicado do site Portal da Queixa, em que são dados alguns exemplos das reclamações apresentadas.

«A minha esposa e eu optámos infelizmente por ter o parto do nosso filho na Maternidade do Hospital São Francisco Xavier. Tínhamos boas referências e fomos visitar, gostámos das instalações mas o que para nós deveria ter sido um momento inesquecível tornou-se um pesadelo. Mais de 48 horas numa sala de partos, a enfermeira afirma que não tem culpa das dores que a minha esposa estava a sentir, muito mal-educada! Abandonados na sala de parto, o médico passou uma vez em 48 horas e outro apareceu para fazer o parto e nos momentos em que chamávamos as enfermeiras, a demora era sempre acima de 20 minutos, pois estava tudo na conversa, risada e gritos na zona dos médicos e enfermeiros» – João Viegas de Carvalho, sobre o Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.

Noutro testemunho pode ler-se que uma utente não consegue obter respostas por parte do Hospital de São João, no Porto. Susana Pereira reclama que ligou repetidamente para aquela unidade hospitalar, mas sem sucesso.

Os grupos de saúde privados não ESCAPARAM ÀS RECLAMAÇÕES.

«O nosso sistema nacional de saúde é uma miséria, mas as pessoas que nele trabalham ainda conseguem deixá-lo pior! Ando desde segunda-feira a tentar ligar para o Centro de Mama do Hospital e nunca, mas nunca, até agora, fui atendida. Não liguei uma, nem duas, nem três vezes. Passo os dias (literalmente) a ligar para lá e nada. Aquela funcionária, coitada não consegue atender uma chamada sequer! Estamos a falar do Centro de Mama, um centro criado para dar respostas céleres aos doentes com cancro, que é o caso! É uma vergonha! Quando não estou a ligar diretamente para o Centro de Mama, ligo para o número do São João e é mais do mesmo. Chama, chama, chama… mas não há uma alma naquele hospital capaz de atender uma chamada! Como isto é possível? Uma semana a ligar para lá.» – Susana Pereira, sobre Hospital de São João, no Porto.

Os grupos de saúde privados não são excepção. De acordo com o comunicado, cerca de 200 reclamações foram dirigidas a este setor, sendo que o mau atendimento, cobranças indevidas, negligências e falta de informação e/ou esclarecimentos estão no topo das reclamações.

Fonte: Portal da Queixa