Tu tratas das férias? Deixa-me rir.

– E este?
– Esse já vimos. É aquele que fica longe da praia.
– Não é nada. Olha aqui as fotografias.
– É o mesmo, é. O link é outro, mas é o mesmo. Vê lá no mapa.
– Pois é, tens razão.
– (silêncio)
– Estás chateada?
– (suspiro). Não. Estou a tentar ver um filme. Se me deixares.
– OK. Olha este. É perto da praia. E não é caro.
– E os quartos? Dá para uma cama de criança?
– Hmm.. Não. Isto é mínimo. Era só para desenrascar.
– Pois. Então vê se desenrascas também um sítio para o teu filho. A menos que o queiras deixar em casa enquanto nós vamos de férias. Ele tem um ano, já se deve safar. Ou então vou eu com o miúdo e ficas cá tu. Já que não trataste das coisas a horas…
– Já chega. Já ouvi essa conversa. Já es­tou nisto há mais de uma hora. Não estou propriamente a dormir nem a ver filmes no Youtube.
– Coitadinho de ti, que estás nisso há mais de uma hora.
– Não comeces.
– Ai, não começo, não. Está descansado. Já te disse que não vou opinar nada sobre isso. Escolhe tu. Este ano és tu que tomas as decisões todas.
– Eu avisei-te que não ia ter tempo para isto.
– Não digas disparates. Avisaste-me quando? Há dois dias? E há quanto tempo é que eu te ando a lem­brar que ainda não tínhamos sítio pa­ra as férias? Há quantas semanas é que te ando a lembrar que tinhas de fazer isto? Desde Abril. Pelo menos!
– Nessas semanas todas já podias ter aju­dado. Podias ter visto alguma coisa.
– Pois podia. Mas não quis. Isso é o que eu faço todos os anos. E estás habituado a que eu trate de tudo. Quando chega o verão, tu só tens de escolher a tua roupa e carre­gar o carro. O resto, trato eu. Eu procuro um sítio que seja agradável e não seja caro. Eu organizo a lista de coisas para levar. Faço as compras. Agora também trato das coisas do miúdo. E tu não fazes nada! É assim todos os anos. E eu cansei.
– No ano passado fui eu que tratei das coi­sas.
– Pois foste! E foi a bela trampa que foi. Gostaste da casa que arranjaste? Estava um nojo, era quente, pagámos uma fortuna e nem tínhamos lugar para deixar o carro. E sabes porquê? Eu digo-te. Porque tratas­te de tudo à última hora. E como eu fiquei danada, disseste que este ano ia ser diferen­te e que tratavas de tudo com antecedência. Aqui está o resultado.
– Se me ajudasses a ver isto já estávamos despachados. E não estávamos aqui a dis­cutir.
– Ajudar-te? Não! Já te dei uma sugestão e nem ouviste.
– A tua sugestão é ir para um hotel em frente à praia. Vamos estoirar o dinheiro todo do subsídio de férias.
– Porque é o único sítio onde vais ar­ranjar alojamento no Algarve a qua­tro dias do início das férias. E quem vai estoirar o subsídio és tu. Tivesses tratado disto a horas.
– Vou procurar mais uns sí­tios.
– Boa sorte. Vou ver o filme. Para o ano tratas tu disto outra vez, ok?

Publicado originalmente na edição de 27 de julho de 2014.