Um suplemento que nos tira a vontade de comer porcarias? Queremos isso já

Cientistas britânicos criaram uma substância que gera saciedade e contribui fortemente para desacelerar o aumento de peso.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

Batidos com chantilly extra e bola de gelado. Pizza de quatro queijos. Nougats de caramelo e amendoim. São apenas algumas das gordices que nos cegam para a dieta quando o desejo de comê-las se sobrepõe a tudo. Mas, e se essas visões açucaradas não nos fizessem mossa? Nem chegássemos a ter os apetites, de todo?

10 gramas de IPE (um suplemento alimentar) reduzem os desejos de comida calórica e fazem com que se coma menos, de um modo geral.

Para isso trabalharam investigadores do Imperial College London, no Reino Unido, que concluíram que um batido com apenas 10 gramas de um suplemento alimentar criado por eles – éster de inulina-propionato ou IPE – é capaz de reduzir os cravings por comida demasiado calórica e, de uma assentada, fazer com que se coma menos de um modo geral.

No estudo, divulgado no periódico especializado The American Journal of Nutrition Clinical, a equipa britânica deu o preparado a beber a homens adultos saudáveis, sem problemas de peso, após o que lhes mostrou imagens gordurosas de pastéis, pizza, chocolate e outras mais salutares de saladas, peixe e verduras.

Curiosamente, a ressonância magnética a que foram submetidos indicou uma menor atividade nas áreas de recompensa do cérebro daqueles que tomaram o propionato. Quando mais tarde os investigadores presentearam os participantes, por igual, com um prato de massa com carne e tomate, a tendência manteve-se consistente: quem bebeu o batido com o suplemento comeu menos.

A sensação natural de saciedade conduz a uma desaceleração do aumento de peso.

A pesquisa vem assim representar um passo em frente relativamente a outra de 2014, realizada em conjunto pelo Imperial College London e a Universidade de Glasgow, na Escócia, em que os cientistas demonstraram que 10 gramas de aditivo, desde que consumido regularmente, desaceleravam o aumento de peso por nos ajudarem a sentir saciados sem esforço.

E tudo isto depois de descobrirem que ligar o propionato à inulina (um hidrato de carbono natural existente nas plantas) permitia fazê-lo chegar ao intestino grosso sem ser absorvido demasiado cedo. Aí desencadeia finalmente a libertação das hormonas que controlam o apetite, a partir da quebra das fibras intestinais.

«Sabemos que os adultos ganham, em média, de 0,3 a 0,8 quilos por ano, pelo que existe uma necessidade real de estratégias que possam evitá-lo», justifica Gary Frost, responsável pela pesquisa em nutrição do Imperial College London e coordenador desse estudo anterior.

Batido torna o sabor desagradável francamente melhor para os consumidores do aditivo.

Numa primeira fase envolvendo 20 voluntários, alguns receberam o IPE, outros apenas inulina, e a todos foi dito que comessem o que quisessem, sem restrições. Resultado: os primeiros comeram cerca de 14 por cento menos quando comparados com os outros.

Na fase seguinte, 49 voluntários acima do peso receberam IPE ou inulina em pó, juntamente com a indicação de juntarem 10 gramas de um dos dois à comida todos os dias. Após 24 semanas, seis dos 24 examinados que adicionaram a inulina tinham aumentado em mais de três por cento o seu peso, ao passo que só um dos 25 que consumiram o IPE engordou.

Até ver, o único contra do IPE era ser um pó solúvel de sabor desagradável, mas até isso os cientistas parecem já ter contornado ao incorporarem a substância num batido.

E porque ninguém aqui quer de volta aqueles apetites estraga-dietas que nos enchem de culpa, deixamos-lhe na fotogaleria algumas sugestões saudáveis a ter sempre à mão.