Verdades universais por volta dos 40 anos

PASSAMOS A SAIR MUITO MENOS. E não é só porque temos filhos. É porque temos menos pachorra. As noites de sábado deixam de ter programa obrigatório e nós dei­xamos de nos chatear por isso. As melhores noites de co­pos passam a ser as que não estavam programadas durar até às tantas e, de vez em quando, lá sentimos falta dis­so – e dos jantares com amigos por tudo e por nada. Mas do que temos mesmo saudades é de ir ao cinema com re­gularidade – e pensamos nisto todos os anos, quando se começa a falar dos Óscares e percebemos a quantidade de filmes que não vimos no ano anterior.

POR FALAR EM COPOS… há pelo menos dez anos que sabemos que as ressacas são agora mais fortes do que eram quando andávamos na faculdade. Mas nem por is­so deixámos de beber. Agora, porém, já pensamos duas vezes antes de pedir outro gin tónico – sobretudo porque sabemos que ao sábado ou ao domingo de manhã, aque­la dor de cabeça vai ser mais difícil de aguentar com os filhos a correr pela casa.

POR FALAR EM FILHOS… o melhor do mundo são as crianças, mas – sejamos sinceros – só às vezes. Depois do deslumbramento e do cansaço dos tempos iniciais, com fraldas, biberões, cólicas, primeiras sopas, primeiros dentes e primeiros passos, as coisas começam a acalmar – obrigado, Deus! E, apesar de sermos capazes de dar a vida por eles, damos valor ao facto de termos novamen­te… vida além deles. Claro que isto depende da idade com que foram pais pela primeira vez, mas se estiverem dentro da média nacio­nal (29,7 anos, para as mulheres), quando chegarem aos 40 já eles não precisam de atenção cons­tante. E isso é bom por um lado, mas ainda vamos acabar a ter saudades de quando eles eram 100% dependentes de nós.

POR FALAR EM SAUDADES… Sentimo-nos  a cami­nhar a passos largos para a terceira idade quando um co­lega de faculdade se lembra que está na altura de convo­car a malta para um jantar de turma. Afinal, a brincar, a brincar, já passaram mais de vinte anos (!!) desde que en­trámos para a faculdade.

POR FALAR EM MAIS DE VINTE ANOS… Ver um filme romântico e lamechas (mesmo os foleiros) continua a ser um bom programa para fazer a dois. Mas já não consegui­mos olhar para os fatos do Richard Gere em Pretty Woman sem nos lembrarmos que  aquilo era moda… quando éramos adolescentes – e que isso já foi há 25 anos! Curio­samente, a nossa tolerância a filmes «do nosso tempo» termina mais ou menos aí. O Top Gun, por exemplo, já é quase vintage: em 2016 completa trinta anos!

POR FALAR EM COISAS ROMÂNTICAS… Começa­mos a ter (mais) dificuldades em comprar presentes para a nossa mulher (ou para o vosso marido). E a admitir que, de vez em quando, erramos mesmo – como daquela vez que nos convencemos de que a máquina para massajar os pés era uma coisa útil (ou, vá lá, engraçada). Passado tan­to tempo, já não conseguimos sequer ter ideias originais. Nem das más. E temos mesmo de lhe pedir sugestões.

POR FALAR EM ERROS… Por volta dos 40 (se não for antes) lá nos capacitamos que, afinal, a capacidade pa­ra cometer erros não diminui com a idade. Aos 30 já tínhamos percebido que ainda continuávamos a fazer alguns disparates, mas alimentávamos a secreta espe­rança de que o tempo nos faria mais sensatos. Com mais experiência para deixar de procrastinar, de comer mal  ou de meter os pés pelas mãos na hora de acabar uma relação. Nalguns casos até aperfeiçoamos comporta­mentos, mas no que depende da nossa natureza, con­tinuamos a errar nas mesmas coisas. Quanto mais cedo percebemos isso, mais fáceis as coisas se tornam.

[Publicado originalmente na edição de 18 de janeiro de 2015]